Onde estamos

Centro Cultural Benfica
Rua Benfica, 157, Madalena 
Recife/PE - Brasil

CEP: 50720-001

 
Entre em contato

contato@oimaginario.com.br

+55 81 3089.9065

  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone do Flickr
  • Branco Twitter Ícone
Contate-nos

Objetivo

Este projeto cultural teve por objetivo mapear, catalogar e registrar dados sobre os mestres emblemáticos e suas obras no artesanato em fibra de cana brava em Ponta de Pedras, no município de Goiana/PE, a partir da identificação de sua importância e representatividade histórico-cultural na tradição desta atividade artesanal para a localidade e o Estado. A pesquisa tomou como referência geográfica o distrito de Pontas de Pedras, local de trabalho e residência dos entrevistados. O projeto também propunha a iniciativa de recuperação histórica e reprodução das peças emblemáticas destes mestres.

 

A ação visou:

  • Identificar os artesãos emblemáticos, reconhecidos como mestres em suas comunidades e cuja obra seja representativa da tradição do artesanato em fibra de cana brava de Ponta de Pedras;

  • Sistematizar a história profissional dos mestres, compreendendo seu papel formador e disseminador da técnica e tradição artesanal na localidade;

  • Levantar e registrar as técnicas de produção artesanal e as peças representativas de cada mestre artesão;

  • Disponibilizar o documento de catalogação para acesso ao público alvo.

 

Este trabalho aprofunda as pesquisas relatadas no Projeto Cultural Mapeamento do Artesanato de Fibra no Litoral de Ponta de Pedras – Goiana – PE (Projeto 1907/15, do produtor Tibério Tabosa). Este projeto inicial teve o objeto de mapeamento e registrar o desenvolvimento da atividade artesanal em Fibra de Cana Brava praticado no litoral de Ponta de Pedras.

Definição de Mestres

A partir da fase de documentação foram definidos os mestres atuais e do passado no manejo da fibra cana brava em suas diversas aplicações artesanais – covos, peças utilitárias e decorativas. A definição dos próximos entrevistados se deu de forma natural pelas indicações de novas pessoas que poderiam ser procuradas, até o esgotamento de possibilidades de novas pesquisas.

 

Para a definição dos mestres, a pesquisa seguiu o que recomendam Fisher e Soares (2010), que afirmam que estes se caracterizam por possuir os conhecimentos e as técnicas necessárias para a produção, preservação e repasse das artes e ofícios enraizados no cotidiano de sua comunidade, sendo reconhecido no local onde vivem e por outros setores culturais.

 

Segundo Fisher e Soares (2010), é atribuída a condição de mestre artesão aquele que possui:

  • Conhecimentos e as técnicas necessárias para a produção e preservação da atividade

  • Repasse das técnicas enraizadas no cotidiano de e para suas comunidades

  • Reconhecimento destas qualidades no local onde vivem e por outros setores culturais

 

Assim, foram entrevistadas pessoas que tenham sido referenciadas por outros envolvidos no ofício como mestres artesãos antigos, cortadores de cana, pescadores ou lideranças na comunidade para a busca dos artesãos que poderiam ser entrevistados.

 

Com base nos depoimentos dos artesãos e pelo cruzamento de referências, foram entrevistados três mestres: Lourenço, Nelzia e Juarez, fazendo registro de suas histórias, portfólio de artefatos, técnicas, ferramentas e organização da produção.

Iniciativa de Constituição de Acervo

As peças registradas ou reproduzidas durante a pesquisa com os mestres artesãos permanecem abrigadas no Centro Cultural José Romualdo Maranhão.

Equipe

Produtor Executivo

Erimar José Dias e Cordeiro

Pesquisadores

Laboratório O Imaginário

Erimar José Dias e Cordeiro

Virgínia Pereira Cavalcanti

Novos Rumos: Consultoria, Facilitação de Processos e Pesquisas

Tibério César Macêdo Tabosa

 

Captação de Imagens/Design Gráfico

Danyelle do Nascimento Marques

Erimar José Dias e Cordeiro

Colaboradores

Ana Maria Queiroz de Andrade

Vinícius Simões Botelho